0 itens no carrinho de compras
Menu

Especificações API

A API (American Petroleum Institute) é o Instituto de Petróleo Americano, a tradicional especificação de desempenho que que estabelece os níveis de qualidade para os lubrificantes de óleo de motor, óleo de engrenagens (GL - Gear Lubricant) e de 2 Tempos. No caso dos lubrificantes de motores de veículos automóveis a classificação está orientada para fabricantes norte-americanos. Os níveis de qualidade identificam-se com duas letras: a primeira indica o tipo de combustível do motor e a segunda o tipo de serviço. Os que começam por "S" (Spark Ignition) destinam-se a veículos a gasolina, quando começam por "C" (Compression Ignition) referem-se a veículos a diesel. A seguinte indica o nível de qualidade, em ordem alfabética, sendo API SN o nível máximo de qualidade para veículos a gasolina, e API CK-4 o nível máximo de qualidade para veículos a diesel. Esta classificação é de fácil entendimento já que a evolução das letras significa a evolução da qualidade dos óleos. Portanto, para a API, SM é melhor que SL, que por sua vez é melhor que SJ e assim por diante. Por isso, quando é recomendado no manual do proprietário um óleo com classificação SJ por exemplo poderá ser usado um óleo SL, porém o contrário não é adequado. Todas as API até SH (a gasolina) e CG-4 (a diesel), inclusive, encontram-se obsoletas e são capazes de provocar danos irreversíveis nos equipamentos ou veículos.

A especificação API SN proporciona uma melhor protecção dos êmbolos quanto à formação de depósitos no pistão a alta temperatura. Apresenta um maior controlo de lama e assegura uma boa compatibilidade com os vedantes e com os sistemas de controlo de emissões de escape, sem descurar a protecção de motores que operam com combustíveis contendo etanol até E85. A API SN é similar à ILSAC  GF-5.

A especificação API CK-4, introduzida em 2017, é especialmente eficaz para manter a durabilidade do sistema de controlo de emissões onde são utilizados filtros de partículas e outros sistemas avançados de pós-tratamento de gases. É projectada para fornecer protecção reforçada contra oxidação e envelhecimento do óleo, perda de viscosidade devido a cisalhamento e aeração, bem como protecção contra envenenamento de catalisador, bloqueio de filtro de partículas, desgaste do motor, depósitos de pistão, degradação de propriedades a baixa e alta temperatura, e aumento de viscosidade relacionado com fuligem. Excede os critérios de desempenho de todas as API anteriores que se encontram activas (CJ-4, CI-4, CI-4+, CI-4 e CH-4. Quando utilizados óleos CK-4 com combustível com mais de 15 ppm de enxofre, deverá consultar-se o fabricante do motor para obter recomendações sobre intervalos de manutenção.
Resumidamente, a API CK-4 é mais resistente do que a API CJ-4 apresentando uma maior durabilidade. Está disponível em diferentes viscosidades, apresenta uma boa economia de combustível e está talhada para estrada e fora-de-estrada com um índice HTHS de ≥3,5 mPa.s sendo compatível com as especificações anteriores.

Os óleos com a especificação API FA-4, também introduzida em 2017, apresentam um valor de HTHS entre  2,9cP a 3,mPa.s para auxiliar na redução das emissões poluentes. Estes óleos são especialmente eficazes para manter a durabilidade do sistema de controlo de emissões onde são utilizados filtros de partículas e outros sistemas avançados de pós-tratamento. São projectados para proporcionar protecção reforçada contra a oxidação do óleo, perda de viscosidade devido ao cisalhamento e aeração do óleo, bem como protecção contra envenenamento do catalisador, bloqueio do filtro de partículas, desgaste do motor, depósitos de pistão, degradação de propriedades a baixa e alta temperatura e aumento de viscosidade relacionado com fuligem. Não são compatíveis com nenhuma especificação anterior e deverão ser utilizados somente quando o fabricante assim o exige.
Resumidamente, a API CK-4 é mais resistente do que a API CJ-4 apresentando uma maior durabilidade. Está disponível somente na viscosidade 5W30, apresenta uma excelente economia de combustível e está talhada para utilização em estrada com um índice HTHS até 3,2 mPa.s não sendo compatível com nenhuma outra especificação.








Especificação ACTIVA que classifica os lubrificantes destinados a transmissões manuais que operam sob condições tão suaves que o petróleo puro ou o óleo de petróleo refinado podem ser utilizados satisfatoriamente. Podem ser adicionados aditivos tais como inibidores de oxidação e ferrugem e anti-espumas para melhorar as características destes lubrificantes. Não devem ser utilizados modificadores de fricção e aditivos de pressão extrema. 

Especificação OBSOLETA que classifica os lubrificantes destinados a eixos de engrenagem helicoidal automotive operando sob condições de carga, temperatura e velocidades de deslizamento em que a classificação anterior (GL-1) não é suficiente.


Especificação OBSOLETA que classifica os lubrificantes destinados a transmissões manuais que operam sob condições moderadas a severas e eixos em espiral bisel que operam em condições de velocidade e carga ligeiras a moderadas. Estas condições de serviço requerem um lubrificante com capacidades de carga superiores às que satisfazem o serviço API GL-2 mas abaixo dos requisitos de lubrificantes que satisfaçam o serviço API GL-4.


Especificação ACTIVA que classifica os lubrificantes destinados a eixos com engrenagens cónicas em espiral que operam em condições de velocidade e carga moderadas a severas ou em eixos com engrenagens hipóides que operam a velocidades e cargas moderadas. Estes lubrificantes podem ser utilizados em aplicações seleccionadas de transmissão manual e de caixa de velocidades onde os lubrificantes API MT-1 são inadequados.

Especificação ACTIVA que classifica os lubrificantes destinados a engrenagens, particularmente as hipóides, em eixos que funcionam sob várias combinações de cargas de alta velocidade e/ou sobrecarga e condições de baixa velocidade e binário elevado.

Especificação OBSOLETA que classifica os lubrificantes destinados a engrenagens concebidas com um deslocamento de pinhão muito elevado que requerem protecção contra pontuação de engrenagem superior à proporcionada por óleos de engrenagens API GL-5.


Especificação ACTIVA que classifica os lubrificantes destinados a transmissões manuais não sincronizadas utilizadas em autocarros, camiões pesados e veículos em carris e caminhos de ferro. Os lubrificantes que atendem aos requisitos do serviço API MT-1 fornecem protecção contra a combinação de degradação térmica, desgaste de componentes e deterioração dos vedantes, situação que não é totalmente protegida pelos lubrificantes de uso corrente que atendem os requisitos das especificações GL activas.


Especificação OBSOLETA de óleo para para motores 2T de tamanho muito reduzido (menos que 50 cc). 


Especificação OBSOLETA de óleo para motores 2T de motocicletas, scooters e restantes motores de tamanho compreendido entre 50 e 200 cc.


Especificação ACTIVA de óleo para motores 2T de alta performance cuja cubicagem se encontra normalmente entre os 200 a 500 cc, como por exemplo, scooters de grande desempenho, motos, motos-de-neve e até moto-serras industriais. Esta classificação contempla óleo capaz de lidar com problemas de pré-ignição (mais conhecidos por rateres) e desgaste no pistão.

Especificação OBSOLETA de óleo para motores 2T fora-de-bordo. Esta classificação foi inicialmente desenvolvida para a Associação Nacional de Construtores Marítimos dos Estados Unidos (NMMA) nos testes TC-W. Contudo, esta categoria foi ultrapassada pela especificação TC-W3 para motores fora-de-bordo refrigerados a água e por isso não é mais aceite.