0 itens no carrinho de compras
Menu

Glossário

Abrasão
Desgaste que ocorre numa superfície por contacto com matéria que entrou no sistema (sujidade, areia, partículas metálicas, etc.). Pode causar uma ruptura do material (por exemplo, na superfície dos dentes das engrenagens). A falta de lubrificação adequada também pode ser causa de abrasão por contacto entre as superfícies da peça lubrificada. Os efeitos podem ser: arranhões, ranhuras, sulcos ou polimento.

ACEA (Association des Constructeurs Européens d’Automobiles)
Associação dos Construtores Europeus de Automóveis é responsável pela definição da qualidade dos óleos para motores de acordo com os requisitos das normas europeias. As classificações ACEA utilizam para os motores a gasolina de veículos ligeiros as abreviaturas A1, A2, A3, A5. Aos motores a gasóleo de veículos ligeiros são aplicáveis as designações B1, B2, B3, B4, B5. Para motores de veículos ligeiros a gasolina e gasóleo com tratamento posterior de gases de escape de acordo com a norma Euro 4 ou superior, existem óleos denominados Low SAPS ou Mid SAPS. Estes óleos são também designados C1, C2, C3, C4 e C5. Aos motores a gasóleo de veículos comerciais e máquinas de trabalho aplicam-se as designações E2, E3, E4, E5, E6, E7, E9. O algarismo caracteriza os critérios de desempenho do óleo.

AdBlue O AdBlue é uma solução a 32,5% de ureia em água de-ionizada, necessária em alguns veículos comerciais, que circulam nas estradas europeias. O AdBlue é necessário para o correcto funcionamento do controlo tecnológico de poluição avançado, instalado no sistema de escape (SCR). É um líquido incolor, não-tóxico, seguro no seu manuseamento que não polui o ambiente. O AdBlue não é nenhum combustível nem aditivo.

AIST (Association for Iron & Steel Technology)
Associação para as Tecnologias do Ferro e Aço. 

ASTM (American Society for Testing and Materials)
Sociedade Americana de Testes e Materiais. Desenvolve ensaios para materiais, estabelecendo as condições dos mesmos. Os ensaios incluem testes para lubrificantes, combustíveis, elastómeros (borrachas), entre outros.

ATF
(Automatic Transmission Fluid)
Lubrificante com características especiais para transmissões automáticas.

AW (Anti-Wear)
Anti-desgaste.

BIA (Boating Industry Association)
Associação das Indústrias Navais 

BORE POLISHING (Polimento de Camisas)
Fenómeno que ocorre nas "camisas" dos cilindros que, por fricção de substâncias contaminantes, podem chegar a deixá-las polidas.

CNG (Compressed Natural Gas)
Gás Natural Comprimido.

CO (Carbon Monoxide)
Monóxido de Carbono. Um dos contaminantes produzidos pela queima incompleta de combustível.

CO2 (Carbon Dioxide)
Dióxido de Carbono. Um dos contaminantes produzidos pela queima de combustível. É a principal causa do efeito de mudança climática. Por esse motivo, a redução do consumo de combustível é um objectivo essencial.

cP (Centipoise)
Unidade de medida de viscosidade dinâmica. A viscosidade da água a +20ºC apresenta 1 CP.

cSt (Centistoke)
Quoficiente de unidade de medida de viscosidade dinâmica com a densidade. 1 stoke = 100 centistokes = 1 cm²/s = 0,0001 m²/s.

CVT (Continuously Variable Transmission)
Caixa de Variação Contínua.

DCT (Dual Clutch Transmission)
Transmissão de Dupla-Embraiagem.

DCTF (Dual Clutch Transmission Fluid)
Lubrificante para Transmissão de Dupla-Embraiagem.

DIN (Deutsche Industrie Norm)
Normas de Indústria Alemã.

DOC (Diesel Oxidation Catalyst)
Catalisador de Oxidação Diesel. É normalmente o primeiro dispositivo na redução das emissões de gases que é instalado num veículo.

DPF (Diesel Particulate Filter)
Filtro (Diesel) Activo de Partículas. Sistema de tratamento dos gases de escape. O DPF (ou FAP) utiliza o calor proveniente do motor e do DOC (COD) para queimar a maioria da fuligem existente nos gases de escape. 

EGR (Exhaust gas recirculation)
Sistema de Recirculação de gases de escape, que reduz as emissões de NOx dos motores dos automóveis. Faz a indução dos gases de escape pelo sistema de alimentação ou pelo colector de admissão onde se diluem com a mistura ar/combustível.

EP (Extreme Pressure)
Aditivo incluído em algumas formulações de lubrificantes para proporcionar uma protecção adicional contra o desgaste. Sob cargas pesadas, os aditivos EP reagem quimicamente, formando uma película protectora sobre as superfícies em contacto.

Espuma
Resultado obtido da medição da quantidade de espuma que se forma num lubrificante, na presença do ar e por salpicos, a diferentes temperaturas. Um lubrificante deve produzir a menor quantidade de espuma possível para uma boa conservação da película de óleo.

EURO (Emissões EURO)
Definição dos níveis de emissões de gases (partículas, óxidos de nitrogénio, hidrocarbonetos não queimados e óxidos de carbono). As normas em numeração árabe dizem respeito a ligeiros e numeração romana a pesados. Actualmente a norma em vigor é a EURO 6 / EURO VI.

FE (Fuel Economy)
Economia de Combustível.

First Fill
Primeiro Enchimento (de fábrica).

FIVA (Fédération Internationale des Véhicules Anciens)
Federação Internacional dos Veículos Antigos

HTHS (High Temperature High Shear)
Alta Temperatura Alto Cisalhamento. Viscosidade HTHS  é um parâmetro adicional relacionado com a economia de combustível e durabilidade do óleo. A viscosidade HTHS é uma medida de quão bem o óleo protege os componentes do motor durante condições de operação difíceis e influencia factores como o consumo de combustível e o desgaste do motor. Menores valores de viscosidade HTHS (2.9 - 3.5 mPa.s) melhoram a economia de combustível, reduzindo a quantidade de energia necessária para bombear, mas valores de viscosidade HTHS mais elevados (≥ 3.5 mPa.s) proporcionam melhor protecção contra o desgaste. Logo deve existir um equilíbrio cuidadoso entre durabilidade, economia de combustível e eficácia de lubrificação.

HVI (High Viscosity Index)
Alto Índice de Viscosidade.

JASO (Japanese Automotive Standards Organization)
Organização Reguladora de Padrões Automotive do Japão. Análoga ao SAE norte-americano.

(Litros)

LNG (Liquefied Natural Gas)
Gás Natural Liquefeito. O gás natural, para facilitar o transporte, é liquefeito por redução da sua temperatura para valores inferiores a –160ºC.

LPG (Liquefied Petroleum Gas)
Gás de Petróleo Liquefeito. Hidrocarbonetos em C3 e C4 e suas misturas. São gasosos, nas condições normais de temperatura e de pressão e líquidos por elevação da pressão ou por redução da temperatura, permitindo o transporte e armazenamento. Os mais comuns são o propano e o butano.

LVI (Low Viscosity Index)
Baixo Índice de Viscosidade.

MIL (Military)
Especificações de lubrificantes do Exército Norte-Americano.

MONOGRADUADO
Óleo com variação significativa de viscosidade a várias temperaturas.

MoS2
Bissulfureto de Molibdénio.

MULTIGRADUADO
Óleo cuja variação de viscosidade com a temperatura é mínima.

NEDC (New European Driving Cycle)
Novo Ciclo de Condução Europeu. É um ensaio estabelecido para a determinação dos níveis de emissões contaminantes de um veículo e do consumo de combustível.

NLGI (National Lubricating Greasing Institute)
Instituto Nacional de Massas Lubrificantes dos EUA. Classifica as massas lubrificantes de acordo com a sua consistência.

NMMA (National Marine Manufacturers Association)
Substituiu o antigo BIA (Boating Industry Association), classificando os óleos lubrificantes que satisfazem suas exigências com a sigla TC-W (Two Cycle Water), aplicável somente a motores de popa a dois tempos.

NOx (Nitrogen oxides)
Óxido de Azoto. Formam-se no motor pela oxidação do azoto proveniente do ar, no momento da combustão. Estes óxidos de azoto são controlados pelas normas EURO.

OBD (On Board Diagnostic)
Diagnóstico de Bordo. Programa de diagnóstico incorporado no veículo em tempo-real. Entre outras funções, pode determinar a quilometragem da mudança de óleo em função da utilização que o utilizador do veículo faz.

PPM (Parts Per Million)
Parte por Milhão. 1000 ppm = 0.1%

SAPS (Sulphated Ash)
Cinzas Sulfatadas (SA) + Fósforo (P) + Enxofre (S). Um óleo de motor Low-SAPS é um óleo c que apresenta baixa formação de cinzas, e são especificamente formulados para motores a gasolina com conversores catalíticos de 3 vias (TWC) (vulgarmente chamados catalisadores), bem como motores diesel com Filtro (Diesel) Activo de Partículas (DPF). Isso ocorre porque quando o óleo do motor queima, as partículas resultantes acumulam-se em poros finos ou palhetas do filtro de partículas ou no catalisador, diminuindo drasticamente a sua vida útil. O fósforo e o enxofre são também particularmente nocivos para os catalisadores, uma vez que impedem o catalisador de remover as substâncias tóxicas dos gases de escape. Aditivos como fósforo e o enxofre sempre foram necessários para fornecer alta protecção ao desgaste e manter a limpeza do motor mas devido aos seus efeitos para com os os catalisadores e DPF, a quantidade de aditivos foi significativamente reduzida. 

SAE (Society of Automotive Engineers)
É a classificação mais antiga para lubrificantes automotive, definindo faixas de viscosidade e não levando em conta os requisitos de desempenho. Apresenta uma classificação para óleos de motor e outra específica para óleos de transmissão.

SCR (Selective Catalytic Reduction)
Catalisador de Redução Selectiva. É um controlo de emissão tecnológico, para separação dos óxidos de NOx dos gases de escape. Em 2006 a tecnologia foi adoptada no mercado europeu de diesel, permitindo que os camiões se pudessem manter nos limites Euro IV e V. É misturado um fluido catalisador com os gases de escape antes de se iniciar o processo de filtração. Os fluidos catalisadores mais frequentemente utilizador sao: ureia (AdBlue), amoníaco anidro, amoníaco aquoso.

SLUDGE (Lamas)
Contaminantes nos motores normalmente encontrados nas tampas das válvulas. 

STOU (Super Tractor Oil Universal)
Conceito que se utiliza entre os construtores e utilitários de maquinas agrícolas, para os lubrificantes multi-funcionais, desenvolvidos para lubrificar os diversos sistemas de maquinas agrícolas: motor diesel (atmosféricos e turbo-alimentados), transmissões finais, transmissões manuais, sistemas hidráulicos, travões em banho de óleo.

TAN (Total Acid Number)
Número total de ácido num lubrificante.

TBN (Total Base Number)
Número total alcalino de um lubrificante. Representa a reserva alcalina de um óleo.É a capacidade de um óleo em neutralizar os ácidos e a sua capacidade detergente. 

TWC (Three Way Catalyst)
Conversor catalitíco de 3 vias. Utilizado nos motores a gasolina de forma a reduzir as emissões.

UTTO (Universal Transmission Tractor Oil)
Conceito que se utiliza entre os construtores e utilitários de maquinas agrícolas, para os lubrificantes formulados para a lubrificação de: transmissões diferenciais, sistemas hidráulicos e travões em banho de óleo.

VISCOSIDADE
Medida para a fricção interna de um líquido que depende da temperatura e é classificada pela SAE numa combinação alfanumérica. O número com W (p. ex. 5W = Inverno) é um indicador do comportamento em caso de temperaturas baixas, enquanto que o número sem W (p. ex. 40) é um indicador da fluidez em caso de temperaturas altas (100 °C). O tempo de vida útil do motor depende essencialmente do óleo base utilizado tal como da viscosidade.